Álvaro Dias admite que pode colocar seu nome na disputa pelo governo do Paraná.


Em reunião com lideranças do Podemos, em Cascavel, nesta quarta-feira (9), o senador Álvaro Dias admitiu a possibilidade de ser o candidato do partido ao governo do Paraná, na eleição de outubro próximo.

Álvaro Dias assumiu recentemente a presidência da sigla no Estado e falou sobre um pré-entendimento de aliança com o atual governador Ratinho Júnior. De acordo com o senador, caso esse acordo não seja confirmado na prática nos próximos dias, o Podemos terá sim uma candidatura própria e o próprio Dias pode colocar seu nome na disputa.

O anúncio foi recebido com entusiasmo pelos participantes. As lideranças falaram das boas lembranças que o povo paranaense guarda da gestão Álvaro Dias à frente do Poder Executivo estadual.

Em quatro anos, o governo Álvaro Dias investiu U$ 350 milhões de dólares à época, para realizar mais do que o dobro de tudo o que já havia sido feito para a agricultura do Paraná. Na época 78.134 hectares de terra foram incorporados ao processo produtivo, através do Programa de Irrigação e Drenagem, que beneficiou 10 mil produtores de arroz, olerícolas e pastagens.

A erosão hídrica, que ocasionava a perda anual de 160 milhões de toneladas de terra produtiva e um prejuízo de 270 milhões de dólares (valores à época), foi estancada com o estímulo dado pelo governo ao Programa de Manejo Integrado dos Solos e das Águas.

Grande destaque no elenco de projetos do “Paraná Rural”, que a FAO (agência das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura) considerou exemplo para o mundo, o programa permitiu o trabalho de conservação do solo em 1.300 microbacias hidrográficas, cobrindo uma área de 3,2 milhões de hectares, em benefício de 103 mil produtores.

Educação

Ao fazer uma avalição do seu período de governo, Álvaro Dias fez questão de destacar a área educacional, afirmando que mais importante do que aquilo que o candidato possa dizer durante a campanha eleitoral é o que ele fez antes.

“A Fundação Carlos Chagas, que à época avaliava o desempenho do ensino nos estados, considerava a educação do Paraná a melhor do país. Nós investimos 40% dos recursos públicos, da receita pública em educação”, lembrou.

E acrescentou: “Concedemos a gratuidade do ensino nas universidades estaduais. São cinco universidades. O nosso governo criou duas delas e três já existiam. E nós passamos a receber os alunos gratuitamente. Isso foi fundamental, porque nós distribuímos no espaço geográfico essas instituições de ensino superior, que alavancaram o desenvolvimento do Estado”.


Desenvolvimento Urbano

Álvaro Dias disse que em sua gestão foi realizado um dos maiores programas rodoviários do Paraná. “Foram 3.500 quilômetros de asfalto, 2.500 quilômetros de restauração de estradas, 11.000 metros de pontes, mais de um 1,1 bilhão de dólares investidos sem cobrar pedágio e sem deixar dívidas”.

O Programa Estadual de Desenvolvimento Urbano nasceu para regionalizar os meios e recursos necessários ao desenvolvimento das cidades paranaenses. Foi o maior programa de desenvolvimento urbano em realizações na América Latina que, em cinco anos, que aplicou 210,2 milhões de dólares em obras de grande importância para todos os municípios do Paraná.

A partir da nova política de desenvolvimento urbano, foram concluídas 1.668 obras, em 299 municípios paranaenses. O projeto Cura Litoral realizou 85 obras de construção de terminais rodoviários, ginásios, quadras de esportes, pavimentação, pontes e praças em todos os municípios litorâneos.


Reforma Administrativa

Ao tomar posse, em março de 1987, o governador Álvaro Dias deu início ao que chamou de maior obra de sua gestão, a Reforma Administrativa, “assentada sobre os fundamentos da austeridade, da moralidade pública e da busca permanente do grau máximo de eficiência na prestação dos serviços públicos”.

“Moralizada e modernizada, a administração tornou-se muito mais racional e econômica. Foi essa Reforma que resultou na extinção de secretarias, órgãos e departamentos supérfluos, na venda de imóveis e veículos desnecessários, na demissão de funcionários fantasmas e no combate à corrupção”.

Segundo Álvaro Dias, tratou-se de novo comportamento administrativo que fez o Estado economizar 100 milhões de dólares na batalha judicial da Usina de Segredo e impetrar ações contra os grandes devedores do Paraná, “que ninguém tivera a ousadia de tocar”.


Luta contra empreiteiras

A Usina de Segredo, símbolo da obra maior da moralidade pública, levou o governo a lutar contra empreiteiros inescrupulosos, em defesa do direito de pagar o preço justo pela sua construção. Com esta atitude, milhões de dólares do dinheiro do povo foram economizados.

Dois terços desta obra foram concluídos. E os recursos financeiros para a sua continuação, assegurados. Graças à sua saúde financeira, a Copel pôde assinar contrato com o BID: Banco Internacional de Desenvolvimento – no valor de 136 milhões de dólares, para dar sequência às obras de Segredo.


Ferroeste

Com a entrada em operação do módulo industrial, o Paraná passou produzir 3.870 barris de petróleo por dia. A Ferroeste, ferrovia ligou Guaíra ao Porto de Paranaguá, em apenas quatro anos deixou de ser um sonho. Foram destinados 40,6 milhões de dólares, previstos pelo orçamento plurianual da União, e mais 35 milhões de dólares previstos pelo orçamento estadual.

A predisposição do Senador Álvaro Dias em retornar ao comando do Palácio Iguaçu, a partir deste anúncio oficial em Cascavel, marca um fato novo e reanima as lideranças políticas a incentivarem, apoiarem e trabalharem politicamente para que essa situação seja referendada em convenção e possam ter a oportunidade de escolher o nome dele nas urnas em outubro.




FONTE: obemdito.com.br